Lúcio Vieira Lima é notificado pelo Diário da Câmara

Movida pelo PSOL, representação contra o deputado foi aprovada há um mês.

O Diário da Câmara dos Deputados publicou na edição desta quinta-feira, 10 de maio, notificação ao deputado Lúcio Vieira Lima pela continuidade da representação movida pelo PSOL.

Conforme a representação, Lúcio Vieira Lima é acusado de apropriação indevida de parte dos salários de servidores de seu gabinete e de lavagem de dinheiro e associação criminosa no caso do bunker recheado de dinheiro encontrado em Salvador, na Bahia, seu estado, onde foram encontrados R$ 51 milhões em espécie. Membro da alta cúpula do PMDB e do governo, Lúcio é irmão de Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Temer e está preso no Complexo da Papuda, em Brasília.

No dia 10 de abril, o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar aprovou o parecer pela continuidade do processo para perda de mandato de Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), a partir de representação protocolada pelo PSOL e Rede, em dezembro do ano passado. Desde então, o Colegiado tenta notificar oficialmente o deputado – cinco tentativas frustradas. Nestes casos, o caminho é a notificação pelo Diário da Câmara.

Com a demora, o prazo para a apresentação do parecer do relator, deputado Hiran Gonçalves (PP-RR), pode ficar só para agosto, próximo ao início da campanha eleitoral.

"Lucio Vieira Lima era, até 10 de abril, um deputado assíduo. Tornou-se um ‘foragido’ desde que nossa representação foi aceita no Conselho de Ética, há um mês. Lamentavelmente, pelos próprios prazos previstos em regimento, ele ganha agora, que foi citado no Diário Oficial, entre 30 a 60 dias até que o processo chegue a um fim, o que é muito prejudicial num ano eleitoral".

Deputado Chico Alencar, líder do PSOL na Câmara.

 ele queria analisar apenas a possível apropriação indevida por Lúcio Vieira Lima de parte dos salários de servidores de seu gabinete.

Mas foi convencido a analisar também a denúncia por lavagem de dinheiro e associação criminosa no caso do bunker recheado de dinheiro encontrado em Salvador, na Bahia, seu estado, onde foram encontrados R$ 51 milhões em espécie. Membro da alta cúpula do PMDB e do governo, Lúcio é irmão de Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Temer e está preso no Complexo da Papuda, em Brasília.

ImprimirEmail